hurdles of an adoption process.

I finally have news to tell. But before I say what the outcome of today’s conversation with youth welfare services is, let me go back to the beginning.

January 2007 – we got married and started talking about having kids, both biologically and through adoption.

January 2008 – started trying to conceive.

Mid 2009 – mid 2010 – after years of trying without ever having seen a positive test, we got surgeries for varicocele and endometriosis.

August 2010 – moved to Switzerland, and continued trying to conceive.

March 2012 – decided to focus more on adopting, and less on getting pregnant.

April 2012 – our adoption process officially begins.

December 2012 – officially gave up trying to conceive, convinced that adoption was the right path for us.

January 2014 – after arduous and endless talks with the social worker, we get our approval to adopt a baby nationally.

May 2014 – we are finally included in the „waiting list“ to adopt nationally. There are over 30 couples/individuals waiting to adopt, and around 12 babies to adopt per year.

End of 2015 – after a long period of waiting and silence, we start thinking about and considering older child adoption, and find out we can adopt internationally from Brazil, our home country. Our permit is only valid for a couple more months, so we decide to renew it and change it to be able to adopt a sibling group of older children from Brazil.

Beginning of 2016 – more endless and, this time even more unpleasant talks with the social worker. We feel mistreated and decide to complain to youth welfare services.

July 2016 – the social worker issues a negative report to youth welfare services, advising against our adopting a sibling group from Brazil.

August 2016 – we attend a meeting with youth welfare services and their attorney. We are informed of the negative report from the social worker. If we wished an answer right then and there, it’d be no. Instead, after discussing together, we find a solution for continuing with the process: we were to get a second opinion, and a new report from a psychologist appointed by them.

October – December 2016 – we have some very pleasant conversations with the psychologist, and we realize how different and much more beneficial the home study could’ve and should’ve been. We felt some joy and saw beauty in the process again.

December – February – while waiting for youth welfare services to decide on our approval, we feel hopeful, yet exhausted. We feel angry that the process is taking so long again, and that someone else gets to decide if and how many children we can have. And more importantly – when. We feel extremely discouraged and completely tired from this long and seemingly unending journey. We think about giving up the process completely, about taking a break from trying to have children.

February 21st, 2017 – after what seemed to us like the longest silence ever, we receive an email from YWS, inviting us for yet another meeting. They wanted to explain what „their plan“ was. This was not great news. It could only mean two things: they want to give us the approval, but not with the criteria we wanted; or, they were planing to deny us the approval to adopt from Brazil.

If you feel like this story is too long already, try to imagine living it.

At this point, we don’t even know what we want anymore. We just need answers, and closure. We are emotionally drained and feel defeated, yet again. We feel enraged that a healthy, intelligent and young couple with emotional and financial stability, and a solid relationship, might be denied the approval to adopt. And as much as we try to be patient and understanding of the hurdles and bureaucracy of the process, we can’t understand why it has to be so painful, exhausting and long.

After 9 years of trying to build a family, we feel like we’re finally at the end of the road. But as is turns out, it’s a dead end.

The meeting was set for a week later, Tuesday the 28th, at 9am.

It’s Sunday afternoon, and we already feel restless and anxious. At night we go to bed and as I am trying to sleep, my mind won’t stop working. After about two hours of staring at the ceiling, I go to the living room and, on my knees, I start praying. Often when I feel anxious, I don’t really know what I’m anxious about. So I just started praying for everything, anything that came to my mind. After a few minutes, I was sobbing. This moment felt SO familiar, so similar to that day in the shower, 5 years ago, where I decided to give up trying to conceive, and to surrender my biggest dream to God. And yet this time, it was different. I didn’t feel desperate at all, or unloved, or abandoned like I did that day, and it wasn’t hard giving it up to Him. But very deep in my soul came the realization: this might be the end of this long, joyful and at (many) times painful journey. We might not be able to adopt after all.

So I sobbed, and prayed, and felt utterly sad as I prepared myself for the worst. All I asked from God was that He would fill us with His presence, so that we would lack nothing. I asked for His indescribably fulfilling Presence, so that our faith and joy might be unshakable. So that what and who we are, are not dependent on circumstances.

By then Daniel had heard me and had joined me in the living room. I din’t want to wake him up with my crying, but I felt so relieved to have him by my side and talk to him. We talked and prayed together in the dimming light of the early morning hours, and we were on the same page. We felt and expressed our feelings differently, of course. But we understood each other. And once again I was utterly thankful for our friendship and for how much this whole crazy journey has brought us together. We went to bed again, completely sad, but completely at peace. It took us seconds to fall asleep.

You see, what this journey has taught me so far, is that first of all, God IS enough. Always. He is so much more than enough. Second of all, life is hard, to everyone. It is messy, at times frustrating, and ever changing. Nothing in this life is definite. And third, my worth is not on what label I was given. „Mother“, „architect“, „wife“, „daughter“, „smart“, „accomplished“: those are like the „extras“ you get on top of an ice cream. But what defines the flavor or the quality of the ice cream itself, is not what’s on top of it. In fact, the less tasty the ice cream, the more „extras“ you’ll want to put on top of it.
What defines me is simply this: I belong to God.

The night before the meeting we were anxious again. We filled the hours with frivolous laughter, watching series and avoiding the elephant in the room at all cost. The occasional look in each others eyes gave up the real emotions, but nothing was said. We couldn’t. The end felt so painfully near.

See, I could’ve spared you this long story, and skipped right to the end of it, where I tell you what youth welfare services decided after all. But that would be too simple. You might hear just the outcome and say „wow, what a beautiful and exciting story.“ But there’s so much hurt and frustration involved in it. And this world has enough of superficiality and empty excitement already. I want to remember the truth.

Of course we all wish for the exciting, amazing story. I do too. But instead, what we get is often not a miraculous, unbelievably amazing end to our story, but small steps and what feels like even smaller miracles, JUST enough to keep us going.

So this morning, when the lovely lady at youth welfare services told us that the report of the psychologist was positive, that it gave her a better understanding of who we are, and that they will give us the permit to adopt two children from Brazil, this is exactly how it felt, to both of us: it’s a victory, of course it is. It’s wonderful, it’s a miracle. But it’s not even close to being over. Even though we wanted 2-3 children, it’s a victory. We feel thankful, but still so emotionally exhausted.

Of course we still have to wait a couple more months for the permit, because they want to see our new apartment first. And they will ask for another social worker to rewrite our report. But we can start putting together and translating other documents that we’ll need for Brazil. So you see, this means one more step ahead. And step by step, maybe someday we’ll get there, at the finish line, when we’re able to look in the eyes of our own children, call them ours, hug them tight and never let go.

Our general state of excitement has over the years been replaced by a general state of disbelief that we will indeed one day be parents. It’s normal, it’s the result of years of frustration and broken hearts. But this is to you, my future kids, meus amores: you can rest assure that the moment we meet you and call you our kids, will be a memorable moment, full of the deepest, most heartfelt excitement and joy. And even though this long, long journey has been filled with not so joyful moments, you will have been worth it all.

Aborto?

Oi, gente querida.

Faz tempo que não posto nenhum vídeo aqui, pois tenho usado mais a nossa página no Facebook, e o próprio canal do YouTube. Mas esses dias fiz um vídeo que não quero deixar de compartilhar de todos os meios possíveis, sobre um tema muito importante. O abordo, ou melhor, a legalização do aborto no Brasil tem sido muito tematizado nas redes sociais e noticiários nas últimas semanas.

Espero que esse vídeo possa ajudar alguém. Se você concorda com o que eu falei no vídeo, por favor compartilhe ele com o maior número de pessoas possível. Assim poderemos, quem sabe, atingir aquela pessoa que está precisando ouvir exatamente isso.

Com carinho, Carol.

Quando o relógio pára.

 

„HOJE PASSEI O DIA NO HOSPITAL“

Oi, queridos. Noite de insônia por aqui.

Estava aqui rolando na cama, pensando em como escrever sobre algo tão profundo. E francamente, eu nem sou a melhor pessoa pra escrever sobre isso – não passei por isso pessoalmente. Mas nas últimas semanas tenho acompanhado bem de perto uma amiga que está perdendo seu bebê. Como assim, „está perdendo“, você pergunta? Eu explico. Mas vou explicar por cima, pois a história nem é minha pra contar.

Hoje passei o dia no hospital com minha amiga. Chegamos ás 9:20 pontualmente, no horário marcado para o seu terceiro ultrassom. Ela está grávida há cerca de 11 semanas. Espera aí… 11 semanas, e já no terceiro ultrassom?

A gente sonha em ser mãe. Sonha em ver aquelas mágicas linhas aparecendo no teste de gravidez. Eu nunca tive o prazer de passar por isso, mas quando minha amiga me mostrou o teste dela, me emocionei e me alegrei com ela. Pude ver a alegria dela em receber mais um milagre da vida. Toda gravidez é um milagre, mas tem algumas que são „mega-milagres“.

Marcamos a primeira consulta, e no dia marcado fomos felizes e contentes „ouvir o coraçãozinho“. Ela estava ansiosa. Entramos na sala, ela respondeu algumas perguntas da médica – enjôo? sim. sangramento? não. cólica? muito leve. está bem? sim. Ok, então pode deitar ali. Aquele momento emocionante pelo qual toda grávida anseia, o momento que vai confirmar: tem mesmo uma vida crescendo dentro de mim. Que momento!…

A médica é séria. Procura, mexe e remexe, e não fala nada pelo que parece uma eternidade. E de repente eu tenho que traduzir (não moramos no Brasil, lembra?) pra minha amiga: „ela não está vendo batimento cardíaco„. Pode ser que esteja mais cedo do que pensamos, o feto ainda está pequeno. Vamos repetir em uma semana. Repetimos. Ela estava em paz e muito esperançosa, e honestamente, eu também. Tinha certeza de que ia enxergar um coraçãozinho batendo dessa vez. Mesmo assim, tive mais uma vez o duro papel de traduzir „ela não está vendo batimento cardíaco“. A médica explica as opções: tomar remédio em casa ou fazer uma curetagem. A médica não é estúpida, mas também não demonstra muita compaixão. „É normal, eu vejo isso todo dia“.

Bem, deixa eu te contar uma coisa, dra. Nós não vemos isso todo dia.

Ainda insegura e esperançosa, minha amiga decide fazer mais um ultrassom, dessa vez em um lugar diferente. E é aí que chegamos no dia de hoje, no terceiro ultrassom.

Eles demoram pra nos chamar. Já ouviu falar da pontualidade suíça? Ela não se aplica aos médicos. Finalmente entramos na sala: o marido dela, o filhinho, a médica, minha amiga e eu. Dessa vez parece que foi mais rápido. Acho que até eu já tinha aprendido a ler aquelas imagens confusas, e antes mesmo de a médica falar alguma coisa, já pensei „ah, não. não. não. não…“.

E é assim que o tempo pára. O mundo á nossa volta, os compromissos, os barulhos – tudo vira invisível, inaudível e irrisório. Passamos as próximas horas conversando com médicos, tirando sangue, urina, etc… e fazendo os preparativos para a curetagem.

Eu não sei quando e porque, mas em algum momento alguém decidiu que „é normal“ perder um bebê quando „tão cedo“ na gravidez. E esse alguém convenceu o mundo de que como é normal e acontece todo dia, então a dor nem deve ser tão grande assim. Não deve ser levada tão a sério, faz parte da vida. „Levanta a cabeça, e vamos pra próxima“. Minha amiga ficou primeiro chocada, depois arrasada, depois perdida, e depois repetiu todo o ciclo de novo. Eu não vou presumir aqui que sei o que ela está passando. Nem perto disso. Eu não consigo imaginar. Mas acompanhando ela de perto durante tudo isso, eu mesma fiquei arrasada, deprimida, fora do ar. Então pensei… se eu fiquei assim, o que ELA está sentindo?

E daí que está no começo da gravidez? Alguém consegue explicar o tamanho do amor que uma mulher começa a sentir pelo seu bebê no minuto que ela descobre estar grávida? Hoje minha amiga ouviu que o coração do bebê (nomenclaturas técnicas à parte. Pra uma mãe, um embrião é um bebê, um filho.) dela parou de bater aproximadamente na oitava semana de gravidez, e em dois dias ela vai entrar numa sala desconhecida, vestindo só um avental, com gente desconhecida em volta dela.

E quando ela acordar, ela não vai mais estar grávida.

 

Esse texto é uma tentativa de demonstrar meu profundo respeito e amor por mulheres que já passaram por isso. Sei que ele não faz jus ao tamanho da sua dor, mas queria dizer que sinto muito por você ter passado por ela. Sinto muito que o mundo nos traz sofrimentos, e que VOCÊ teve que passar por esse especificamente.

A dias melhores.

Carinho, Carol.

P.s.: esse texto foi escrito na madrugada de sexta pra sábado. Hoje é segunda, e correu tudo conforme planejado na curetagem.

Coragem, minha amiga.

 

Como curar a dor da infertilidade?

Olá, gente querida.

Que bom ver você por aqui de novo!

A infertilidade infelizmente é uma dor que atinge muito mais gente do que imaginamos. No vídeo de hoje conto como fomos curados da nossa dor. Tem sido um longo processo, mas que tem valido tanto a pena!

Espero que vocês curtam o vídeo, e sintam-se bem á vontade pra compartilha-lo com seus/suas amigos/as. Você poderá estar ajudando alguém, sem nem mesmo saber!

Carinho, Carol.

A dor da infertilidade.

Pare por um minuto. Feche os olhos. E pense: o que você acha que sentiria se ouvisse as palavras „VOCÊ NÃO PODE TER FILHOS.“?

Talvez você já tenha ouvido essas palavras dolorosas, então com certeza vai se identificar com o que a Adriana Aparecida escreveu nesse texto.

Talvez você nunca tenha ouvido isso. Talvez esteja agora mesmo grávida, ou talvez tenha já seus 1, 2 ou 3 filhos lindos e saudáveis correndo pela casa. Te deixando de cabelos em pé. Exausta como nunca esteve antes. Considere essa exaustão uma bênção!

Seja de que lado da moeda você estiver, vale a pena ler/ouvir essas palavras tão verdadeiras que a Adriana escreveu sobre a dor da infertilidade. Seja para perceber que não está sozinha/o nessa, ou para entender um pouco mais a dor que muitos á sua volta estão sentindo.

Carinho, Carol.

PAPO PÓS PIÁS, PARTE 3

Olá, gente querida!

Hoje vou postar o último vídeo da série „papo pós piás“!

Nessa série nós abrimos nossos corações e contamos como foi ter os dois meninos aqui em casa durante duas semanas, e que lições levaremos disso para nossa vida como pais. Esperamos que vocês tenham curtido a série, e se surgirem dúvidas, curiosidade, ou até mesmo sugestões, não deixem de deixar um comentário. Adoraríamos ouvir de vocês se alguém se identificou com algo que falamos.

Uma ótima semana a todos!

Carinho, Carol.

 

Diz aí, o que deu da audiência?

Olá, gente querida.

Hoje tivemos nossa tão antecipada e tão temida audiência com o juizado. Pra quem não sabia disso até agora, a assistente social escreveu um relatório sobre nós desaconselhando o juizado a nos dar a habilitação. Por isso, eles nos chamaram para essa audiência, com advogada e tudo, a princípio para nos informar da decisão deles e dos motivos. Nós estávamos nos preparando para um alto e ressonante NÃO.

Nós saímos de lá, na verdade, sem uma resposta. Entenda porque esse é o melhor resultado que poderíamos ter tido, assistindo o vídeo abaixo!

Carinho, Carol.

Papo Pós Piás, parte 2

Oi gente!

Saiu o vídeo 2 de 3 da série „Papo pós piás“! Espero que curtam.

Não deixem de comentar, compartilhar, marcar amigos, etc… e de se inscreverem no nosso canal do YouTube, assim você não perde nenhum dos nossos vídeos.

Tem sido um privilégio dividir essa jornada com vocês. Obrigada pelo apoio!

Carinho, Carol.

Eles se foram… e agora?

Oi gente querida!

Depois que os meninos foram embora, tentamos olhar pra trás e colocar no papel (ou melhor, em vídeo) as coisas que aprendemos com essa experiência.

Pra deixar a coisa um pouco mais interessante, tivemos um papo cabeça em forma de entrevista: o Dani escreveu perguntas pra mim, e eu pra ele. Não sabíamos o que um ia perguntar pro outro, e nos esforçamos pra dar as respostas mais sinceras possíveis.

Afinal, como é a vida com crianças? O que mudou? Foi bom, ou ruim? Continuamos querendo ter filhos, ou não? 🙂 Confira as respostas aí no vídeo!

Carinho, Carol.

você daria seu filho para ser adotado?

Eu já sei a resposta de todos. Já a ouvi tantas vezes.

NÃO. JAMAIS. QUE ABSURDO. COMO PODE?…

Querem saber minha opinião?

MÃES QUE ENTREGAM SEUS FILHOS PARA SEREM ADOTADOS – ELAS TÊM O MEU RESPEITO.

Não estou falando de negligência, nem de abuso, nem de abandono. Abandono é outra coisa. Estou falando de mães que decidem voluntariamente abrir mão do seu bem mais precioso, não APESAR do seu amor por seu/sua filho/a, mas sim POR CAUSA do seu amor por eles. Percebe como essa troca de palavras faz toda a diferença?

Eu também não entendia, quando entramos nesse processo de adoção. Eu também olhava para crianças sem pais, e pensava „como uma mãe pode dar seu filho? Que pessoa má“. Há anos que aprendi a ouvir e abrir o coração e a mente para o lado da mãe biológica, e há anos luto com o preconceito dos muitos outros que ainda pensam assim. Luto não só por respeitar mulheres que conseguem agir de forma tão altruísta, mas também por amor aos meus futuros filhos. Quero que, dentro do possível, eles possam se sentir amados e respeitados pela mãe biológica, e que um dia eles também possam entender a grandeza de tal ato.

Existe, sim, o abandono. Existe negligência. Existe abuso. Mas eu oro pra que nossos filhos possam vir de uma mãe assim. Pois isso não é abandono, mas um ato de amor.

Carinho, Carol.

**Vídeo em inglês.